Literatura – Informação – Entretenimento – Saúde

Unhas com o tema Poá

As meninas arrasaram na nail art com bolinhas em todos os tamanhos e cores.

 

Veja algumas das mais criativas!

 

Fonte: Capricho

Filmes tristes deixam as pessoas mais felizes, diz estudo

Estudo americano sugere que dramas alegram os humanos porque os deixam gratos por seus próprios relacionamentos

Cena do filme Desejo e Reparação, de 2007, exibido aos participantes da pesquisa (Divulgação)

Assistir a filmes tristes traz felicidade, segundo pesquisa da Universidade do Estado de Ohio, Estados Unidos, publicada na última edição do periódico Communication Research. De acordo com os cientistas, isso acontece porque a tragédia nas telas chama a atenção para aspectos positivos da vida do espectador.

“Histórias trágicas geralmente abordam temas como amor eterno, e isso leva os espectadores a pensarem sobre seus próprios entes queridos”, diz Silvia Knobloch-Westerwick, principal autora do estudo. Quanto mais as pessoas se lembram de seus amados ao assistirem a esses filmes, maior é a felicidade.

A pesquisa envolveu 361 estudantes universitários que assistiram a uma versão resumida do filme Desejo e Reparação, de 2007. Antes e depois da exibição do vídeo, os participantes tiveram que responder a várias perguntas que mediam o quanto eles estavam felizes com a sua vida. Também tiveram que dizer, antes, depois e três vezes durante o filme, em que grau eles sentiam determinadas emoções naquele momento, incluindo a tristeza.

Ao final de tudo, os estudantes tiveram que classificar o quanto gostaram do filme e escrever sobre como o vídeo os havia levado a refletir sobre eles mesmos, seus objetivos, seus relacionamentos e a vida em geral. “O que as pessoas escreveram como resultado do filme foi a chave para entender por que os indivíduos gostam de ver filmes dramáticos”, diz Knobloch-Westerwick.

Segundo a pesquisadora, os participantes que demonstraram uma tristeza crescente enquanto assistiam ao vídeo foram mais propensos a escrever sobre pessoas reais com quem eles haviam tido algum tipo de relacionamento íntimo. Isso, por sua vez, aumentou a felicidade desses participantes após a exibição. “As pessoas parecem usar dramas como uma forma de refletir sobre os relacionamentos importantes de sua própria vida. Isso pode ajudar a explicar por que filmes tristes são tão populares, apesar da tristeza que induzem momentaneamente”, conta ela.

Os cientistas também testaram a teoria de que os indivíduos se sentem mais felizes após um filme dramático porque eles comparam os personagens retratados a si próprios – e se sentem bem com isso, já que suas vidas não são tão ruins. Mas esta afirmação não é válida. Os participantes que declararam pensar sobre si mesmos depois do filme, em vez de refletir sobre seus amados, não se mostraram mais felizes. Ou seja, “tragédias não aumentam a felicidade por fazerem os espectadores pensarem em si, mas sim porque ajudam essas pessoas a dar mais valor a seus próprios relacionamentos”, explica a pesquisadora.

Mas por que é preciso ficar triste por ver uma história trágica para poder se sentir grato por seus relacionamentos? Segundo Knobloch-Westerwick, emoções negativas tornam as pessoas mais pensativas. “As emoções positivas são geralmente um sinal de que está tudo bem, você não precisa se preocupar, nem pensar sobre as questões da vida. Mas as emoções negativas, como a tristeza, fazem você pensar mais criticamente sobre a sua situação”, conta. A pesquisa afirma ainda que os relacionamentos são, em geral, a principal fonte de felicidade na vida dos seres humanos, por isso pensar sobre eles deixam as pessoas mais felizes.

Fonte: Veja

Cinco tendências do outono-inverno que você já pode tirar do armário

abuse do couro e das parcas para curtir o tempo fresco com estilo

 

Foram três meses do escaldante sol que todo brasileiro conhece bem e, com ele, as rasteirinhas, vestidos leves e shorts permearam as ruas. Tudo muito legal, mas aquela sua botinha de estimação assistiu a tudo isso tristonha, lá do fundo do armário, e está doida para levantar a poeira.

Com o fim do verão e o aval de São Pedro, é hora de rever as tendências deste outono-inverno e preparar o guarda-roupa para o friozinho ameno que começa tímido no nosso país.

Coturnos

  • Já faz algumas temporadas que o coturno é o calçado desejo das meninas modernas. Prático e utilitário, pode ser usado para compor um visual rock n’ roll, mas o mais bacana mesmo é mesclar sua “brutalidade” com a delicadeza de um look romântico, proporcionando um equilíbrio cheio de estilo. A botinha de inspiração militar é hit entre famosas (veja a foto de Miley Cyrus acima) e apareceu nos desfiles da Ausländer e de Walter Rodrigues na última temporada de moda brasileira. O outono-inverno é a época perfeita para tirá-lo do armário e andar por aí sem se preocupar com a chuva.

  • Parcas

    As parcas também têm pegada utilitária e militar, proporcionando um outono cheio de conforto. Se antes eram associadas a um estilo desleixado, agora as parcas ressurgem como item descoladinho para compor um look de fashionista. A dica é manter o aspecto despretensioso, mas combinar a peça com outras mais femininas, como camisa de tricô, saia e echarpe. Não tão leve quanto um cardigã nem tão pesado como um casaco de pele, a parca é uma peça adequada ao outono do Brasil. Inspire-se com as fotos acima!

  • Couro

    Embora dê para usar couro no verão tranquilamente, ele foi “nascido e criado” no outono-inverno. E foi, disparado, o material que mais se destacou nas passarelas da recente temporada de moda internacional, que terminou neste mês. O look poderoso desfilado por Gisele Bündchen para a grife Alexander Wang em Nova York (foto acima) foi mais um a reforçar o hit, que pode vir em jaquetas perfecto, calças, botas ou até em looks inteiros. O preto predomina, mas há espaço para tons terrosos como o marrom e o vinho bem fechado. Aposte!

  • Xadrez

    Pare para pensar: o xadrez tem carinha de outono-inverno, não tem? A estampa aconchegante andava esquecida fora das camisas de flanela, mas ensaiou uma volta como tendência e foi figurinha fácil nas passarelas internacionais de Inverno 2013. Por aqui, a padronagem se destacou no desfile da Colcci, um dos mais badalados do SPFW. Nesta estação, ele é tudo menos discreto – o ideal é que a estampa seja o item protagonista do look.

  • Meia-calça

    Charmosa, a meia-calça também é ótima para o outono-inverno brasileiro. Podendo ser bem fina ou mais grossa, a peça vai bem sob saias, shorts e vestidos e protege as pernas da brisa gelada. A cor preta é a mais democrática, mas os tons vibrantes podem ser usados para alegrar o look invernal. E o melhor: ainda ajuda a disfarçar celulites e imperfeições da pele!